sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Programação Janeiro 2014


EXTASE IMPRODUTIVO

 

O caminho do encontro com Jesus é o da prática sincera da lei de amor e caridade

Rogério Coelho

                                               "(...) Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor!

                                                               entrará no Reino dos Céus, mas aquele que faz

                                                               a vontade  de  Meu  Pai  que  está  nos  Céus."

                                              - Jesus (Mt., 7:21)

 

            Escrevendo aos efésios, Paulo faz a seguinte conclamação: (ef., 5:14) "desperta  tu que dormes!  Levanta-te  dentre os mortos e o Cristo te iluminará".

            Naquele  tempo, como hoje,  existem  inúmeras criaturas que não possuem "olhos de ver" nem "ouvidos de  ouvir"; e passam  pelas reencarnações  malbaratando  talentos  e desperdiçando  as oportunidades de crescimento  espiritual. Não obstante,  vivem  cercadas  de  benesses  de  vária  ordem,   em arremansados   de   felicidades   e...  continuam  "dormindo" assemelhando-se  a  mortos.  Daí a  enérgica  expressão  paulina concitando ao despertamento. Muitos, porém, acordam finalmente!... Mas não passam do "Senhor, Senhor!..."  E isso não é suficiente...

            Se é justo e razoável falar das concessões do Mais  Alto a nosso favor, mais importante é começar a  agir  para merecer ainda maiores benesses dos Céus. A Parábola dos Talentos mostra que ao que mais tem, mais lhe será acrescentado...

            Esclarece-nos o ínclito e singular Mestre Lionês[1]:    "de nada servirá dizer: Senhor, Senhor!  Se não seguimos os preceitos que Ele ensinou.  Há que se despojar do orgulho, do egoísmo, da cupidez e de todas as paixões...  Passar os  dias  em  orações e não apresentar  sinais  de  aprimoramento moral, e se a Caridade e a indulgência não estiverem  envolvendo  os atos, em vão resultará o despertamento.

             Não  esperais  dobrar  a  Justiça  do Senhor  pela  multiplicidade  das vossas palavras  e  das  vossas genuflexões.  O caminho único que vos está aberto, para  achardes graça  perante  Ele,  é o da prática sincera da  lei  de  amor  e caridade.

             O  que estiver fora  desse  parâmetro assemelha-se à casa edificada na areia: o vento das renovações e o rio do progresso as arrastarão".

            Aconselha Emmanuel[2]: "acordemos  para  a  vida  superior  e levantemo-nos na execução das boas obras e o Senhor nos  ajudará, para que possamos ajudar os outros".

            E esclarece[3]: "o mundo é o caminho no qual a alma deve  provar a  experiência, testemunhar a  fé,  desenvolver  as tendências  superiores,  conhecer  o  bem,  aprender  o   melhor, enriquecer os dotes individuais".

            Não   podemos  permitir  o  estiolamento   da oportunidade da elevação espiritual sob os vapores  anestesiantes do êxtase improdutivo. Há que se atentar para a recomendação inserta em Lucas: (7:46) "e por que me chamais, Senhor, Senhor, e  não fazeis o que eu digo?"                                                                                                                  ■



[1] - KARDEC, Allan. O Evangelho Seg. o Espiritismo. 129.ed. Rio [de Janeiro]: FEB, 2009, cap. XVIII, item 9.

[2] - XAVIER, F. Cândido. Fonte viva.  10.ed. Rio [de Janeiro]: FEB, 1982, cap. 66.

[3] - XAVIER, F. Cândido. O consolador. 23. Ed. Rio [de Janeiro]: FEB, 2001, q. 403.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Confraternização de fim de ano CEAG

Durante o evento, além dos trabalhos apresentados, houve momentos de agradecimento e oração

O Centro Espírita Anjo Gabriel (CEAG) promoveu, em sua sede, no último sábado (23), um Lanche Solidário, com o objetivo de confraternizar com os trabalhadores e frequentadores da casa espírita.

Além de uma retrospectiva e apresentação dos trabalhos desenvolvidos durante o ano, houve orações, sorteio de brindes e servido um lanche.

Confira abaixo as fotos:























sábado, 5 de outubro de 2013

HOMENAGEM A KARDEC





Todo mês de outubro evoca doces lembranças para o espírita agradecido.
Foi em outubro de 1804, no dia 3, que Kardec ressurgiu para o mundo físico com o nome de Hippolyte Léon Denizard Rivail, conforme registro de batismo, em 15 de junho de 1805, na igreja de Saint-Denis de la Croix-Rousse, pertencente à diocese de Lyon, interior da França.
Viveu entre nós durante 64 anos e 6 meses.
Ao desencarnar, em 31 de março de 1869, Allan Kardec teve o seu corpo sepultado, em 2 de abril desse mesmo ano, no Cemitério Montmartre.1
Como fora do seu desejo, o féretro, em coche funerário de extrema simplicidade, estava cercado de amigos que oravam sob forte emoção.
Eram os membros da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas (SPEE) e simpatizantes. Ao todo, mais de 1200 pessoas.
Discursaram na ocasião o vice-presidente da SPEE, Sr. Levent, e logo após, o célebre astrônomo Camille Flammarion fez inesquecível preleção sobre a vida do Codificador, nos seguintes termos:
“Pela Revista Espírita e pela Sociedade de Paris, da qual era presidente, ele se havia, de certo modo, constituído em centro para onde tudo convergia, o traço de união de todos os investigadores.”
“Quantos corações foram consolados, de início, por esta crença religiosa! Quantas lágrimas foram enxutas! Quantas consciências abertas aos raios da beleza espiritual!”
“Allan Kardec era o que eu chamarei, simplesmente, ‘o bom senso encarnado’. Raciocínio reto e judicioso, aplicava, sem esquecer, à sua obra permanente, as indicações íntimas do senso comum.”
“Não há mais milagres. Assistimos a aurora de uma ciência desconhecida. Quem poderá prever a que consequências conduzirá, no mundo do pensamento, o estudo positivo desta psicologia nova?”
“A imortalidade é a luz da vida, como este Sol brilhante é a luz da Natureza.”
“Até logo, meu caro Allan Kardec, até logo.”
O Sr. Alexandre Delanne falaria depois, dizendo, entre outras coisas:
“Obrigado pela felicidade presente de que desfrutamos, pela felicidade futura que nos fizeste certeza, quando nós, como vós, tivermos entrado na grande pátria dos Espíritos.”
Em nome da sua família e dos amigos, ouviu-se a fala emocionada do Sr. E. Muller que, em certo instante, proclamou:
“Sob o esforço do seu pensamento tudo se transformava e engrandecia, aos raios de seu coração ardente; sob sua pena tudo se precisava e se cristalizava, por assim dizer, em frases de clareza deslumbrante.”
A direção da Revista Espírita, de maio de 1869, apresentou uma síntese biográfica de Allan Kardec, com algumas frases inesquecíveis:
“Trabalhador infatigável, sempre o primeiro e o último a postos, Allan Kardec sucumbiu a 31 de março de 1869.”
“Morreu como viveu: trabalhando.”
“Nele, como em todas as almas fortemente temperadas, a lâmina gastou a bainha.”
“O homem não existe mais. Mas Allan Kardec é imortal e sua lembrança, seus trabalhos, seu espírito, estarão sempre com os que sustentarem, alto e firme, a bandeira que ele sempre soube fazer respeitar.”
Nós, da Federação Espírita do Paraná – FEP, seremos incansáveis em homenageá-lo, em todos os outubros, pelo muito que devemos ao seu labor missionário e pela sua personalidade, que nos inspira sempre nos difíceis caminhos do Bem.
1. Posteriormente, os despojos de Allan Kardec foram transladados para o Cemitério Père-Lachaise, que conta com mais de 69.000 mausoléus, entre eles o do Codificador, que é, ainda hoje, o mais florido de todos.

HOMENAGEM  A  KARDEC


Amaral Ornellas

    
Trouxeste, Allan Kardec, à longa noite humana
O Cristo em nova luz – revivescida aurora!-
E onde estejas serás, eternidade afora,
A verdade sublime em que o mundo se irmana.

Em teu verbo solar, a justiça se ufana
De aclarar, consolando, o coração que chora,
A fé brilha, o bem salva, a estrada se aprimora
E a vida, além da morte, esplende soberana!...

Escuta a gratidão da Terra... Em toda parte,
A alma do povo freme e canta ao relembrar-te
A presença estelar e a serena vitória.

Gênio, serviste! Herói, exterminaste as trevas!...
Recebe com Jesus, na benção a que te elevas,
Nosso preito de amor nos tributos da Historia.


Francisco Cândido Xavier. Da obra: Doutrina e Vida.

PROGRAMAÇÃO DE OUTUBRO


segunda-feira, 1 de julho de 2013

PROGRAMAÇÃO JULHO 2013


APERFEIÇOAMENTO ÍNTIMO

Jesus é o Restaurador da casa espiritual da Humanidade

Rogério Coelho

 

"Sede   perfeitos,  como  perfeito  é  o  Pai Celestial."

                                              - Jesus (Mt., 5:48)

 

            Engana-se quem pensa que Jesus é tão  somente  "uma   figuração  filosófica  ou  religiosa  nos  altiplanos   do pensamento  universal.   Ele é, antes de tudo, o  restaurador  da casa espiritual dos homens e, de Sua obra, na intimidade de cada um, resultará o aperfeiçoamento", disse algures um Espírito amigo.

            Sem   Ele,  permaneceríamos   indefinidamente presos  na  cela estanque do egoísmo e  da  ignorância,  sofrendo permanente soledade...

            As  palavras  de  Jesus,  embora cheias  de consolações para nossas almas, possuem alto conteúdo de  material de  construção  e restauração a fim de que cada  criatura  possa promover a sua própria reforma íntima de forma integral.

            Ensina Emmanuel[1]: "Cada homem é uma casa espiritual  que deve  estar, por deliberação do morador, em contínua  modificação para melhor. Recordemo-nos que existem casas ao  abandono, outras sufocadas pela hera entrelaçada ou transformadas em reduto de  seres traiçoei ros e venenosos... 

           Aparecem, também, sob  nossas vistas, as edificações relaxadas, cujos inquilinos não se  animam a  remover  o  lixo desprezível que vai se  acumulando  em  focos miasmáticos, e, observamos as moradias fantasiosas, que  ostentam fachadas  soberbas  com  indisfarçável  desorganização  interior, tanto  quanto  as que se encontram penhoradas  por  hipotecas  de grande   vulto,  sendo  justo  acrescentar  que  são  raras as residências  completamente  livres, em constante  renovação  para melhor...

           O cristão sem reforma interna  dispõe apenas  das plantas do serviço.  O discípulo sincero e  decidido, porém,  é o trabalhador devotado que atinge a luz do Senhor,  não em benefício de Jesus, mas, sobretudo, em favor de si mesmo."                                                ■

 
   



[1] - XAVIER, F. Cândido. Vinha de Luz.  19.ed. Rio [de Janeiro]: FEB, 2003, cap. 133.

Programação de Julho 2013